Individualizar hidrômetros pode reduzir consumo de água em até 40%
Consumo de água

Diante de períodos de seca, a individualização dos hidrômetros surge como alternativa para condomínios residenciais. A medida torna cada morador responsável pelo consumo de água de seu apartamento e, assim, pode gerar economia global de até 40%. A adaptação ganhou espaço com a mudança cultural após a crise hídrica que atingiu São Paulo de 2014 a 2016, quando a sociedade passou a perceber o recurso natural como um bem limitado.

Apesar do esforço de parte da população, a média de consumo dos edifícios residenciais pouco diminuiu, justamente pelo caráter coletivo das contas de água nos prédios. Além de induzir cada morador ao uso consciente, o hidrômetro individualizado facilita a detecção de vazamentos.

De acordo com a Lei 13.312, sancionada pelo governo federal em 2016, novos condomínios terão que de instalar um hidrômetro para cada unidade habitacional a partir de 2021. A norma obriga os prédios a adotarem padrões de sustentabilidade e altera legislação específica sobre saneamento básico.

A previsão de economia de até 40% no consumo e nas contas de água é do Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS) e do Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ). Hoje, a maioria dos edifícios antigos possui apenas um hidrômetro e o consumo da água costuma ser rateado entre as unidades habitacionais, independentemente da quantidade de pessoas que residem em cada apartamento.

 

Cadastre-se aqui

Gostou deste conteúdo? Faça um comentário!

avatar
Fechar Menu